23/07/14

Descobertas


Acho que nunca falei de comida neste espaço, o que é imperdoável para alguém que adora comer! Tenho mesmo prazer em comer e, de há uns anos para cá, em experimentar novos sabores. Durante muito tempo comia porque tinha que comer e havia muitas coisas de que não gostava... sem sequer ter experimentado! Com a volta de 180º que a minha vida deu (que eu escolhi dar à minha vida), uma das coisas que mudou foi precisamente a vontade de arriscar e de experimentar coisas novas, entre elas novos sabores. Aprendi a gostar de sushi (adoro!), a gostar de queijo (sim, eu não podia sequer sentir o cheiro a queijo!), entre tantas outras coisas boas que andava a perder! Hoje sinto que sou mais feliz por isso, mesmo, e ganhei um novo prazer em comer.

Para além disso, fui descobrindo como é terapêutico cozinhar. Não cozinho muitas vezes, é verdade (é a vantagem de ter um marido que gosta de cozinhar e que o faz divinalmente!), mas quando o faço sinto imenso prazer e é uma forma de desligar do mundo e de descontrair. Nos últimos tempos, porque houve algumas mudanças, comecei a fazer refeições para levar na marmita. Três vezes por semana, às 7h a minha cozinha começa a ter um cheirinho bom. Primeiro custou-me um bocadinho, mas depois percebi que era apenas uma questão de organização, de simplificar e que as vantagens superavam largamente alguma dificuldade. Demoro exatamente o mesmo tempo que demorava antes de preparar esta refeição, faço coisas simples e mais saudáveis, levo sempre fruta (quando almoço fora é raro...), saio de casa mais desperta e satisfeita e posso ir almoçar onde quiser. Posso fazer um piquenique a meio do dia, aproveitar um bocadinho de ar puro e ainda ficar com algum tempo para ler ou passear um bocadinho por alguns blogs e pelo pinterest. Só coisas boas! Ah, e falta uma das coisas mais importantes e que esteve na origem desta decisão: poupo imenso!

Uma das minhas inspirações:



Sem comentários:

Enviar um comentário