04/05/14

Mãe



Mãe, amo-te. Amei-te sempre, mesmo nos momentos em que fomos tão diferentes e discordámos tanto. E sei que tu me amaste também e amas mais ainda hoje por veres a mulher em que me tornei, mãe também agora. Por muito diferentes que sejamos, deste-me tanto! O teu exemplo como profissional, como mulher, como amiga, como filha e agora como avó faz-me sempre agradecer e pensar que tenho muita sorte por te ter. Às vezes acho que não sei dizer o quanto és importante para mim, o quanto te amo e peço a Deus que te proteja para estares comigo (connosco) a vida toda. Queria que estivesses sempre aqui, mãe. Porque eu ainda preciso muito do teu colo, hoje e sempre. Mãe, amo-te. E hoje, e todos os dias, é só o que sei dizer.

lê isto: mãe, amo-te.

eu sei e tu sabes que poderei sempre fingir que não
escrevi estas palavras, sim, mãe, hei-de fingir que
não escrevi estas palavras, e tu hás-de fingir que não
as leste, somos assim, mãe, mas eu sei e tu sabes.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"


Sem comentários:

Enviar um comentário