11/12/13

Livro de receitas


Dinamizo ações de formação há vários anos, o que já me permitiu conhecer centenas de pessoas, de todas as idades, habilitações e áreas profissionais. As áreas que trabalho são, sobretudo, ligadas ao desenvolvimento de competências pessoais e sociais, desde a mediação de conflitos, à comunicação, passando pelas relações interpessoais, gestão do tempo, entre outras. Em muitas das ações, há uma pergunta comum: "Tenho um caso assim assim. Mas como é que eu faço? O que é que eu lhe digo?".

Sei que a minha resposta muitas vezes desilude. Não há respostas, não há receitas, não há milagres (a não ser para quem é crente e não me refiro a esses). Quanto mais pessoas conheço, mais certeza tenho que cada um de nós é único. Tão único que a reação a uma qualquer dica de comportamento é, também ela, única e fruto de imensos fatores. Somos todos tão diferentes! O que funciona comigo não funciona com a pessoa que está ao meu lado e, se funciona num momento, talvez noutro já não seja assim. Logo, como podemos dar dicas, receitas infalíveis, truques milagrosos? O mais importante, para mim, é trabalhar a relação. Para isso é preciso ter consciência que uma relação, seja ela pessoal ou profissional, é construída todos os dias, em cada momento. É preciso ter uma atenção extrema ao outro, às suas palavras, à sua postura, olhar, energia... É preciso olhar o outro. Ouvi-lo. Senti-lo. E, acima de tudo, respeitá-lo. Deixar de lado interpretações, juízos de valor, preconceitos. É preciso estar disponível e inteiro. Talvez por isso, passados tantos séculos de ensinamentos, experiências, leituras e conselhos sábios, continuemos a perguntar "mas como é que faço?". É esse o imenso e fascinante desafio das relações humanas!

Sem comentários:

Enviar um comentário